Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Clínica Veterinária de Pardilhó

Temos como missão cuidar dos nossos pacientes com dedicação, empenho e compaixão, de forma a lhes proporcionar uma vida longa e saudável.

Temos como missão cuidar dos nossos pacientes com dedicação, empenho e compaixão, de forma a lhes proporcionar uma vida longa e saudável.

As 8 urgências mais comuns em animais de companhia

 

 

#1 Reacções alérgicas

 

Os cães e os gatos desenvolvem com frequência reacções alérgicas. As causas podem variar, desde uma hipersensibilidade a uma vacina ou, à mordedura de um insecto. Em caso de reacção alérgica, os animais podem desenvolver sintomas dermatológicos, como um inchaço do focinho, urticária e prurido, mas também podem ter vómito, diarreia, letargia, ou mesmo dificuldades respiratórias. Caso suspeite de uma reacção alérgica no seu animal, procure de imediato um Médico Veterinário.

 

#2 Envenenamento

 

Os cães e os gatos são curiosos por natureza e isto traz-lhes, muitas vezes, problemas. Os tóxicos podem ser ingeridos, absorvidos pela pele ou inalados. Os rodenticidas (remédio dos ratos) são um dos tóxicos mais comuns. Há no entanto uma serie de outros produtos em nossa casa que podem provocar intoxicações graves nos nossos animais de companhia, tais como: produtos de limpeza, tintas, medicamentos, plantas, pilhas, insecticidas, fertilizantes, chocolate, produtos com xilitol (p.e. pastilhas elásticas sem açúcar), etc. Em caso de suspeita de intoxicação, um aconselhamento veterinário urgente pode fazer toda a diferença na recuperação do seu animal.

 

#3 Traumatismo

 

É normal que muitos dos nossos animais possam vir a sofrer, durante a sua vida, qualquer tipo de traumatismo. Em caso de trauma, a ausência de sinais externos não significa que o animal não possa estar a correr perigo de vida. Há lesões internas que podem demorar horas até se tornarem evidentes. Se o seu animal sofreu algum tipo de traumatismo, deve procurar de imediato a ajuda de um Médico Veterinário.

 

#4 Vómito e diarreia

 

O vómito e a diarreia são uma das urgências mais frequentes em clínica de animais de companhia. Sintomas gastrointestinais inespecíficos como estes podem ser provocados por um problema gastrointestinal primário (ingestão de lixo, uma obstrução intestinal, etc) ou por um problema secundário (uma doença metabólica, um tumor, etc.). Estes sintomas podem levar a uma desidratação rápida e, dependendo da causa, o quadro clínico pode-se rapidamente agravar.

 

#5 Dificuldade a urinar

 

Dificuldade em urinar é um sintoma que não se relaciona apenas com infecções urinárias. A presença de cristais, cálculos, coágulos, inflamação ou neoplasia, na bexiga ou na uretra, ou até mesmo o próprio stress, provocam muitas vezes este problema. Um animal que não consegue urinar corre risco de vida, devendo ser levado, de imediato, a um Médico Veterinário.

 

#6 Convulsões

 

As convulsões não são mais do que episódios de actividade eléctrica anormal no cérebro. Podem ocorrer de forma isolada ou múltipla, e podem variar de frequência ou de intensidade. São desencadeadas por problemas intra-cranianos (epilepsia, tumores cerebrais, edema cerebral, etc.) ou extra-cranianos (baixos níveis de glicose, distúrbios electrolíticos, etc.). Qualquer convulsão é potencialmente fatal, daí a importância de procurar aconselhamento veterinário no caso do seu animal ter uma convulsão.

 

#7 Dificuldade a respirar

 

Um aumento do esforço respiratório ocorre, normalmente, quando os pulmões ou as vias aéreas se encontram comprometidas. Isto pode acontecer por trauma, reacção alérgica, infecção, insuficiência cardíaca, neoplasia, etc. A maior parte das vezes é necessária uma avaliação radiográfica  para que seja possível identificar a causa. Qualquer dificuldade respiratória deve ser encarada como um problema sério que deve ser avaliado o mais rapidamente possível por um Médico Veterinário.

 

#8 Dor

 

A dor pode existir por várias razões e pode-se manifestar de diferentes formas. Falta de apetite, alteração no comportamento (relutância em subir escadas, subir para o sofá ou para o carro), respiração mais ofegante, agitação, agressividade, são alguns sintomas manifestados pelos nossos animais quando sentem dor. Uma dor na coluna pode ser muitas vezes interpretada como uma dor abdominal, e vice-versa. Nesta situação, medicar um animal sem qualquer aconselhamento veterinário é um risco, já que muitos dos medicamentos utilizados em Medicina Humana são tóxicos para os animais. 

Otite

   

A otite é uma inflamação do ouvido, uni ou bilateral.

 

Pode ser classificada como externa, média ou interna. Numa otite externa apenas o canal auditivo externo está afectado. O animal pode sacudir frequentemente a cabeça ou coçar os ouvidos. Podem existir sinais de inflamação, como eritema (vermelhidão) e edema (inchaço), no pavilhão auricular, assim como secreções com ou sem odor. Na otite média a inflamação já ultrapassou a membrana timpânica, afectando também o ouvido médio. Numa otite interna há o envolvimento do ouvido interno, onde se localiza o órgão responsável pelo equilíbrio. Alguns animais, nesta fase, podem ter dificuldade em mastigar os alimentos, inclinar a cabeça para um dos lados, ter alterações de equilíbrio e/ou paralisia facial. Felizmente, a maior parte das vezes as otites são diagnosticadas numa fase em que a doença ainda não progrediu para o ouvido médio ou interno, sendo ainda relativamente fáceis de tratar.

 

São várias as causas que podem provocar inflamação nos ouvidos de um animal. Infecções bacterianas, infecções fúngicas, presença de corpos estranhos (ex. pragana) ou de uma massa dentro do canal auditivo, ácaros (ex. Otodetes cynotis ou Demodex), alergias (atopia ou alergias alimentares) ou patologias que favoreçam o desenvolvimento de infecções (alterações hormonais), são as mais frequentes. A própria conformação do ouvido do animal pode fazer com que ele seja mais predisposto para desenvolver otites, o que acontece com determinadas raças, como o Caniche ou o Sharpei. Para que o tratamento seja realmente eficaz e se reduza o número de recidivas é muito importante que o Médico Veterinário identifique a causa subjacente ao aparecimento da otite. Para isto, é muitas vezes necessário realizar diferentes testes diagnósticos como citologia, cultura e antibiograma de amostras de exsudado, análises ao sangue, etc.

 

Depois do diagnóstico, compete ao dono seguir todas as indicações dadas quanto à limpeza dos ouvidos, aplicação da medicação prescrita e quanto às visitas de reavaliação agendadas, de forma a garantir o sucesso do tratamento.

Os gatos e os fios...

 

Por serem animais curiosos e brincalhões, os gatos adoram brincar com fios e linhas. Mas o que é uma actividade física e mental importante para o seu animal, pode também ser algo de muito perigoso. Os gatos que brinquem com este tipo de objectos sem qualquer supervisão podem muito facilmente engoli-los, resultando naquilo a que os Médicos Veterinários chamam de Corpo Estranho Linear. Muitas das vezes uma das extremidades do fio fica presa debaixo da língua, no estômago ou mesmo no intestino do animal, enquanto que o resto continua o seu trajecto ao longo do tracto gastrointestinal. Quando isto acontece, o intestino vai ficando pregueado em volta do fio podendo mesmo chegar a «cortá-lo». É exactamente por isto que NUNCA se deve tentar puxar por um fio que se observe a sair da boca ou do ânus de um gato, já que isso pode resultar em danos irreparáveis no tracto intestinal do animal.

Caso suspeite que o seu gato possa ter ingerido um fio ou uma linha deve de imediato procurar ajuda junto de um Médico Veterinário.

 
 

 

O Veterinário vai à escola! 2016

No passado dia 16 de Maio, voltámos ao Agrupamento de Escolas de Pardilhó para fazer uma visita aos meninos da Pré. Falámos dos cuidados a ter com com a saúde, higiene e alimentação das suas mascotes (o porquinho-da-índia, o coelho e a tartaruga), e de como as crianças se devem comportar quando estão ao pé de um cão. Foi muito divertido, e esperamos voltar lá para o ano!

 

 

Como se devem comportar as crianças ao pé de um cão

Trazer um cão para a família pode ser um dos maiores presentes que pode dar aos seus filhos. Brincar com um cão encoraja as crianças a terem um estilo de vida mais saudável. Ajuda-as a desenvolver sentimentos como empatia, compaixão e respeito para com outros seres vivos, bem como a adquirir competências sociais importantes, como o sentido de obrigação e responsabilidade. Conviver com um cão pode ser uma enorme fonte de conforto para uma criança, que nele encontra um companheiro para os bons e os maus momentos.

De forma a garantirmos a segurança e a felicidade de ambos, é fundamental ensinar aos mais novos o que devem e não devem fazer quando estão na presença de um cão. Aqui ficam alguns conselhos que podem, e devem, partilhar com eles.

 

 

Porque devo castrar o meu animal de companhia?

  

A esterilização cirúrgica (ovariohisterectomia e orquiectomia) continua a ser o método contraceptivo de eleição para controlo de nascimentos indesejados nos nossos animais de companhia. No entanto, apresenta benefícios que vão além do controlo da natalidade. 

No caso das fêmeas, reduz, e em alguns casos elimina, o risco de aparecimento de doenças do aparelho reprodutor como infecções uterinas, tumores ováricos, vaginais, vulvares e mamários. No caso dos tumores mamários, a idade com que a cadela é castrada tem influência. Se uma cadela for castrada antes do 1º cio, o risco de desenvolvimento de tumores mamários malignos é inferior a 1%. Se a castração for realizada entre o 1º e o 2º cio ou depois do 2º cio, o risco aumenta para 8% e 26%, respectivamente. Esta é a principal razão pela qual recomendamos que a ovariohisterectomia seja feita por volta dos 5/6 meses de idade.

No caso dos machos, a orquiectomia reduz a probabilidade de marcação indesejada de território, em particular nos gatos, bem como de comportamentos errantes. No cão reduz também o risco de aparecimento de tumores do aparelho reprodutor, nomeadamente do testículo e da próstata, assim como de tumores perianais.

Para mais informação acerca deste, ou de qualquer outro, procedimento cirúrgico realizado na nossa clínica, não hesite em contactar-nos.

A mascote do mês!

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D